Arquivo da tag: trufado

BURRATA COM AZEITE TRUFADO.

Postado por: José De Mauro e Patrícia De Mauro.

A Pizzaria Quintal do Brás serve a burrata Borghese apenas com um fio de azeite aromatizado e fica muito bom, a magia é completada pelos pães que acompanham o prato. Após prova-lo por lá veio a ideia, por que não faze-lo com azeite trufado?

Eu e a Patrícia compramos duas burratas Borghese frescas, mais macias que a defumada, um pouco mais consistente e seca, e adicionamos um fio de azeite trufado além de algumas lascas para enfeite, acompanhamos com os pães disponíveis em casa, pão sírio torrado e um pão de manjericão que fiz seguindo uma das receitas da nossa máquina de pão (posteriormente colocarei a receita), ficou ótimo. Se desejar polvilhe levemente com flor de sal.

O ministério da saúde e a Patrícia advertem: O Consumo excessivo desta receita aumenta o colesterol e a celulite.

Aprecie com moderação!

CREME DE ABÓBORA TRUFADO.

Postado por: Patrícia De Mauro.

Este creme é simples, fácil de fazer e rico em sabor…  O Mauro estava gripado e eu, meio gripada, porém em teste na cozinha, é muito ruim ficar gripado, não dá para sentir os sabores, cheiros…enfim , perda de paladar e olfato, o jeito é fazer uma comidinha fresquinha, bem temperadinha e que, para completar, é rica em fibra e nutrientes.

Ingredientes:

Meia abóbora japonesa, só pode ser este tipo, pois ela é mais sequinha e muito saborosa.

2 colheres de sobremesa de tomilho

1 colher de sobremesa de sal

1/2 xícara de chá de azeite

Modo de fazer:

Corte a abóbora, pode deixar para retirar a casa depois de cozida porque fica mais fácil, disponha num tabuleiro. Misture bem uma parte do azeite, 1 colher de sobremesa de tomilho e o sal, passe por toda abóbora, cubra a forma com papel alumínio e leve ao forno, asse até o garfo penetrar fácil.

Retire do forno, corte em cubos e coloque com 200 ml de água no liquidificador, bata até formar um creme liso. Numa panela refogue 1 colher de sobremesa tomilho e a outra parte do azeite e despeje o creme de abóbora, deixe no fogo baixo por mais uns 3 minutos acerte o sal e pronto, é só servir.

Toque: Depois de pronto eu costumo dividir em duas parte, e na minha parte acrescento 2 colheres de requeijão cremoso light.

Quem quiser poderá dar um toque com azeite trufado e flor de sal, fica muito bom também. Bom apetite!

TRUFAS.

Postado por: Patrícia De Mauro.

Escrevo sobre esta iguaria por seu inconfundível sabor, achei melhor resumir as pesquisas que fiz aqui, fazendo assim um post introdutório de um dos ingrediente que eu uso muito na minha cozinha.

Trufa ou túbera é o nome vulgar dado aos corpos frutíferos subterrâneos das espécies de Tuber, um gênero de fungos. Algumas das espécies têm sabor e aroma agradáveis, sendo consumidas pelo homem há mais de três mil anos.

Possuem aspecto de mármore negro (Trufa negra) e bege (Trufa branca). A colheita é feita recorrendo a porcos ou cães adestrados que localizam por meio do faro.

A trufa nasce sob a terra, a uma profundidade de 20 a 40 centímetros, próximo à raiz de carvalhos e castanheiras. As trufas são silvestres e até hoje não se descobriu uma forma de cultivá-las. As melhores trufas brancas vêm de Alba pequena cidade italiana entre Turim e Milão. Já as trufas negras tradicionais são de origem francesa, da região de Périgórd.

O trufeiro, especialista em trufas, é quem revolve a terra e retira a trufa do solo sem quebrá-la nem ferir-lhe a superfície. Ela só terá valor se as suas características originais forem preservadas.

Trufas brancas

As trufas brancas são muito apreciadas por chefes de cozinha devido ao seu inigualável aroma. Impressionante como esta não lembra em nada o aroma gaseificado da negra. É delicada, saborosa, sutil e cresce ainda mais com algumas receitas. As trufas de Alba, por serem as melhores, podem custar até 6 mil dólares o quilo. As que exibem uma sutil coloração rosada são consideradas melhores, de aroma mais marcante. As melhores safras ocorrem em outonos chuvosos, pois as trufas precisam de muita umidade para crescer.

Em 8 de novembro de 2009 uma trufa branca de 750 gramas foi leiloada por 100 mil euros na Itália. E em 14 novembro de 2010 um exemplar de 900 gramas foi arrematado por 105 mil euros.

A trufa branca exige um cortador específico, com lâminas ultrafinas, pois quanto mais fina for cortada, mais sabor vai liberar. A espessura ideal é a de uma folha de papel.

Combina com massas, risotos e ovo frito. O prato predileto dos apreciadores é o ovo “all’occhio di bue”, pois reúne a simplicidade do ovo e a exuberância da trufa branca fresca.

Trufas negras

As trufas negras (Tuber melanosporum) exalam aroma menos acentuado, superfície mais rugosa e são mais resistentes ao manuseio. O quilo custa em média 700 dólares e pode chegar a 1.200 dólares. Ao contrário das brancas, podem ser lavadas em água.

A trufa negra já foi chamada de “Diamante Negro” ou “Pérola Negra” devido à sua raridade.

Embora na França as pessoas para as encontrar o façam utilizando um porco, e observando e aguardando que o porco as encontre farejando e remexendo no chão, cá não é necessário isso. Basta uma pessoa munir-se com um pau com um bico na ponta ou um pequeno sacho para as retirar da terra.

Elas normalmente encontram-se com facilidade, dado que começam a aparecer ao cimo da terra quando estão no auge da sua maturação, fazendo pequenos montículos de terra. Às vezes até já estão praticamente todas fora da terra, o que facilita muito o trabalho de encontrar.

Mas existe outro método para as encontrar, não tão utilizado, por detecta-las geralmente quando elas ainda não atingiram a sua maturação. Esse método consiste em bater com um pau ou outro objeto do gênero do chão onde se pensa que elas existam, é fácil saber onde se encontra uma pois o som ouvido quando ele atinge o chão ser diferente de quando não existe nenhuma. Caso tenhamos dúvidas se é uma ou não e se ela está muito funda, basta começar a escavar, só existe uma se o terreno por cima dela estiver macio.

Fonte:    http://trufa.planetaclix.pt/Tudb.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Trufa

CANELLONI EXPRESS COM MOLHO BRANCO TRUFADO.

Postado por: Patrícia De Mauro.

Sábado a noite em casa, Mauro tinha que temperar o bendito e delicioso cabrito, entre uma comida e outra, lembramos que não tínhamos jantado. Por isso é sempre bom ter aquela massinha recheada comprada pronta, NÃO CONGELADA, apenas resfriada, fica pronta em 15 minutinhos com molho, que molho? Um canelloni recheado com queijo. Pensamos em um molho branco com trufas brancas, ficou muiiito bom para uma noite que acabaria em pizza.

Ingredientes:

1/2 dente de alho bem picadinho

2 colheres de manteiga

2 xícaras de leite

2 colheres de farinha de trigo

1 colher de café de trufa branca bem picadinha

Sal a gosto

Preparo:

Leve o alho e a manteiga quando começar a sair aquele cheirinho bom de alho refogado, jogue a farinha deixe ficar bem amarelinha e vai colocando o leite aos poucos mexendo sempre, eu costumo bater com o mixer, depois que ficar com uma consistência lisa e cremosa retire do fogo, não é necessário deixar ferver, pois a farinha já ficou cozida antes com a manteiga. Agora é só jogar o molho por cima do canelloni e levar ao forno, cerca de 15 minutos. Termine com  flor de sal.

Bom apetite!

PURÊ TRUFADO DE BATATA E INHAME.

Postado por Patrícia De Mauro.

Receita criada por mim, Patrícia para acompanhar o carrê de cordeiro. Este post complementa e termina o do carrê, feito e postado pelo Mauro.

Ingredientes:

Uma batata média por pessoa.

O mesmo peso em inhame.

Flor de sal a gosto.

Azeite de trufas brancas a gosto.

3 colheres de sopa de creme de leite

Folhas de alface para decorar

Modo de fazer:

Descasque e corte em pedaços iguais as batatas e inhames. Cozinhe em panelas separadas os pedaços em água com sal até ficarem macios.

Passe os vegetais cozidos por um espremedor ou amasse-os. Salgue a gosto, regue com o azeite trufado e o creme de leite e bata com um mixer até ficar bem macio e liso.

Sirva em seguida.

Sobre o prato:

A ideia original era fazer o carrê dianteiro de cordeiro criando uma receita rápida. Inicialmente seria acompanhado pelo inhame cozido e depois frito, mas na hora surgiu a ideia de mistura-lo as batatas em um creme para que elas amansassem a liga pegajosa do inhame. O resultado atingiu o esperado.

De entrada uma saladinha Margherita, tomates cereja cortados ao meio, bolinhas de mozzarella de búfala também cortadas ao meio, folhas de manjericão anão, azeite extravirgem e flor de sal, uma folha de alface para decorar. Acalma a alma, limpa o paladar e prepara o corpo para a combinação de sabores do jantar.

Falta ainda comentar o vinho um Château Gazin 1999, Segundo o Mauro um tinto do Pomerol “excelente para acompanhar um cordeiro”.

Sobremesa: em comum acordo Mauro e eu evitaremos as sobremesas pelas próximas semanas.

Café Nespresso, Ristretto para mim e um Indriya para ele, este acompanhado por um charuto Cohiba Siglo V.