Arquivo da tag: sardinhas

BAR DA DONA ONÇA – DATA DA VISITA 26/ 03/2011.

Postado por: José De Mauro.

Uma passada rápida, para tomar uma cerveja e conversar sábado ao final da tarde foi meu primeiro contato com o Bar da Dona Onça. Fica no térreo do Edifício Copan, no centro de São Paulo, local onde estacionar o carro é difícil, considere ir de Metrô ou táxi.

Decoração temática engraçada, bem arrumado e bom atendimento, o local tem cerca de 80 lugares incluindo algumas mesas no lado externo.

Nesta visita só provei poucos petiscos, o bife aperitivo (milanesa) Croc Croc é interessante, tem sardinha frita, R$ 26,00 o prato com 3 unidades, o único endereço de São Paulo fora a minha casa onde achei o prato.

Misto de bar e restaurante não serve chopp mas tem cervejas geladas nacionais e importadas, uma carta de vinhos razoável e boas bebidas.

Achei um tanto caro pelos pratos que serve e o tamanho das porções, como estava focado em assuntos de família deixo para uma segunda visita minha opinião final, só publico este resumo pois lá tem sardinha frita, apesar de achar o preço abusivo. De qualquer modo volto qualquer dia com a Patrícia para uma refeição mais abrangente.

Endereço            Avenida Ipiranga, 200 – São Paulo – SP

Telefone             (11) 3129-7619

Site                        http://www.bardadonaonca.com.br/

Chef                      Janaína Rueda

Anúncios

SARDINHA FRITA – O CROCANTE PERFEITO.

Postado por: José De Mauro.

Desde quando resolvi criar site , sabia que este dia viria. A primeira vez em que comi a sardinha frita no Rio de Janeiro tinha certeza que um dia eu compraria sardinhas e iria frita-las atrás da receita da sardinha perfeita.

Enquanto esse dia não chegava pesquisei receitas, raras e esparsas além de desencontradas, tentei tirar dos sabores da minha última visita os temperos… e fomos ao sacrifício.

Sábado de carnaval, pouca gente na cidade fui, com a Patrícia, ao Mercado Municipal de Pinheiros onde compramos entre outras coisas 1 quilo de sardinhas, cerca de 16 peixes, trazidos para casa semi limpos, quase sem escamas e sem as vísceras.

Para efeito de cálculo o consumo por pessoa varia entre 3 e 5 sardinhas fritas, embora meu record tenha sido de 7 unidades em um dia de muita fome.

Apesar de ter quase certeza da receita aproveitamos para brincar um pouco com as sardinhas e fizemos 4 tipos de empanado, além de um prato enorme de camarões empanados:

Sardinha empanada em fubá, cor amarela dourada, muito bonita porém não crocante, deixa o peixe com sabor amargo.

Sardinha empanada em farinha de tempura bonita, crocante mas a farinha queima fácil, peixe sem consistência.

Sardinha empanada em fubá e farinha de mandioca misturadas, melhor que as anteriores porém consistência inadequada.

Sardinha empanada em farinha de mandioca, demora mais para fritar, textura adequada, crocante e peixe consistente.

Vamos a receita, ingredientes para 2 porções:

½ quilo de sardinhas frescas, cerca de 8 peixes, peça na peixaria para que sejam limpos, diminui o trabalho e a sujeira.

½ limão siciliano, só o suco

Sal a gosto

Farinha de mandioca fina crua para empanar, cerca de 150 gramas

½ litro de óleo de boa procedência para fritar

Modo de fazer:

Começarei por uma recomendação, mantenha as sardinhas sempre resfriadas, a carne deste peixe é muito macia e em temperatura ambiente praticamente se desfaz na nossa mão. Mantenha os peixes na geladeira entre as operações de preparo e após frita-las consuma o mais rápido possível.

Mesmo que os peixes tenham sido limpos na peixaria lave-os, retire as escamas que ainda existam e prepare as sardinhas para que fiquem abertas e sem a espinha central e as espinhas maiores, conforme mostrado nas fotos, o uso da faca não é necessário se você tiver alguma prática com peixes. Escorra bem, pressionando levemente com as mãos para retirar o máximo de água possível. Em seguida tempere com o sal e o suco de limão, deixe descansar coberto por filme plástico na geladeira por cerca de 10 a 15 minutos. Enquanto isso aqueça o óleo em uma panela alta, caso não tenha um termômetro use um fósforo jogado no óleo para determinar a temperatura de fritura, quando o palito acende está no ponto.

Tire os peixes da geladeira e comece a empana-los na farinha de mandioca, primeiro os que estão por baixo, estão mais úmidos e a farinha vai aderir melhor, em seguida coloque as sardinhas no óleo quente, com a pele para baixo, e frite até dourar, evite colocar muitos peixes em cada vez. Quando atingirem o ponto retire e deixe descansar sobre toalha de papel para secar o excesso de óleo, sirva num guardanapo de papel, com um bom molho de pimenta e um chopp bem gelado.

Na foto acima da esquerda para a direita em duplas: farinha de mandioca, fubá puro, farinha de mandioca e fubá e farinha de tempurá.

Fritar as sardinhas com a pele para baixo, como mostra o texto escrito neste criador de sites, facilita para verificar o ponto certo da fritura pois a pele de cores variadas engana um pouco. Se empanar algumas sardinhas em farinha de tempura frite-as por último, a farinha solta facilmente dos peixes e queima rápido no óleo quente deixando um cheiro forte.

Texto adicionado em 28/03/2011 por José De Mauro: Em São Paulo o Bar da Dona Onça, no térreo do Edifício Copan, Avenida Ipiranga, 200 serve uma sardinha frita que embora diferente chega perto do crocante desejado, custa R$ 26,00 a porção de 3 peixes. Não tem chopp mas a cerveja é bem gelada.

#retrogosto #sardinhafrita #sardinhasequinha #crocante

SARDINHA FRITA EM SÃO PAULO.

Postado por José De Mauro.

Texto adicionado em 28/03/2011 por José De Mauro: Em São Paulo o Bar da Dona Onça, no térreo do Edifício Copan, Avenida Ipiranga, 200 serve uma sardinha frita que embora diferente chega perto do crocante desejado, custa R$ 26,00 a porção de 3 peixes. Não tem chopp mas a cerveja é bem gelada.

Resposta a pesquisa que levou ao Retrogosto.

Beco das Sardinhas – A sardinha frita!

Postado por: Patrícia Silva De Mauro.

Existem comidas que não tem explicação do porque você gostar tanto, isso acontece entre a sardinha lá do beco das sardinha e eu, não como em outro lugar (tirando as que a mamãe faz, que é uma delícia), mas as do beco…hum… são sequinhas, enfarinhadas (não considero a milanesa, porque não tem ovos, só farinha, mistura de farinha de mesa com farinha de milho), carnudinhas, casquinha deliciosamente crocante … que delícia, ainda mais quando acompanhado de um choppinho da brahma bem geladinho,  este bar fica localizado bem no coração do Rio, no centro, Rua Miguel Couto com a Av. Floriano Peixoto, Comecei a frequentar em 2001 quando eu ainda trabalhava na Nasajon Sistemas na Av. Rio Branco n. 45, ficava tão pertinho do trabalho, eu não perdia as sextas -feira depois do trabalho, ainda fica lotado… neste beco existem mais de 5 bares (que vendem sardinhas)

Quer um pedacinho?

, você chega e já vem um garçon pedindo para você sentar num lugar aonde ele possa atender, talvez esta competitividade é o que faz as sardinhas ficarem ainda melhor a cada ano que se passa.  Esses bares ficam nas laterais é no meio da rua eles penduram uma lona de um lado ao outro, para fazer uma sombra, que falta cozinhar você lá em baixo, eu curto o bar da esquina, que eu frequentava quando ainda era um pé sujo como os de mais,  atualmente foi reformado, com TV LCD, ventiladores que ajudam bastante do calorão, este bar esta lá desde 1951…e detalhe meu avô frequentou o lugar durante muito tempo, começo a acreditar que pode ser genética, afinal, Este, é ou não é um programinha de carioca?

Recomendo.

Se for dirigir, não beba.

Rua Miguel Couto, 139 – Centro
Rio de Janeiro – RJ, 20070-030, Brasil
(0xx)21 2233-6119

Metrô: Uruguaiana (2ª/6ª 8h/22h, sáb 8h/16h), O Rei dos Frangos Marítimos (2ª/6ª 11h/22h), Adega e Bar Quinta das Videiras (2ª/6ª 7h/22h), Quina de Ouro Rei das Sardinhas (2ª/6ª 8h/22h) e Bar Tesouro Esquina das Sardinhas (2ª/6ª 8h/22h).

BECO DAS SARDINHAS- VISITA DE 18/ 11/ 2010.

Postado por: José De Mauro.

Este post foi originalmente mostrado on blog charutosviagensetodooresto. wordpress.com

De volta as comidas que fazem o cardiologista urrar de desespero, vamos falar de sardinha frita. Empanada com uma casca sequinha e crocante vem para a mesa em unidades ao preço de R$ 1,50, na data da visita, pedindo de acompanhamento um chopp, R$ 4,00 na mesma data.

Fica no centrão do Rio de Janeiro, esquina da rua Miguel Couto com a avenida Floriano Peixoto, são cinco bares que competem entre si pelos clientes vendendo o chamado frango marítimo ou seja, sardinhas. Unidos em uma esquina coberta por uma lona plástica amarela. Cuidado com a carteira e com o celular, prepare-se para dialogar com vendedores e pedintes, um grupo de pagode costuma passar tocando por uns trocados afinal das contas a rua é publica certo? Mas você não vai se arrepender pois a sardinha vale realmente a pena.

Não caia na tentação de pedir mais do que uma ou duas por comensal a cada rodada, elas esfriam e a casquinha amolece com rapidez, se gosta de molho de pimenta nesse tipo de prato leve um de seu agrado, o de lá é péssimo.

Um autentico pé sujo, mas que vale muito a pena.

Texto adicionado em 28/03/2011 por José De Mauro: Em São Paulo o Bar da Dona Onça, no térreo do Edifício Copan, Avenida Ipiranga, 200 serve uma sardinha frita que embora diferente chega perto do crocante desejado, custa R$ 26,00 a porção de 3 peixes. Não tem chopp mas a cerveja é bem gelada.

Beco das Sardinhas – A Sardinha que deixa saudade!

Existem comidas que não tem explicação, o porque você gostar tanto, isso acontece com a sardinha lá do beco das sardinha e eu, não me sinto segura comendo em outro lugar, (tirando as que a mamãe faz, que são uma delícia), mas as do beco…hum… são sequinhas, enfarinhadas (não considero a milanesa, porque não tem ovos, só farinha, uma  mistura de farinha de mesa com farinha de milho), carnudinhas, casquinha deliciosamente crocante …  ainda mais quando acompanhado de um choppinho da Brahma bem geladinho,  este bar fica localizado bem no coração do Rio, no centro, Rua Miguel Couto com a Av. Floriano Peixoto, Comecei a frequentar em 2001 quando eu ainda trabalhava ali perto, todos os dias o movimento é grande em qualquer horário, mas eu não perdia as sextas -feira depois do trabalho, ainda fica lotado… neste beco existem mais de 5 bares (que vendem sardinhas), na chegada já vem um garçon pedindo para você sentar num lugar aonde ele possa atender, talvez esta competitividade é o que faça as sardinhas ficarem ainda melhor a cada ano que passa.  Esses bares ficam nas laterais, no meio da rua eles penduram umas lonas de um lado ao outro, para fazer uma sombra, mas que esquenta tanto que falta te cozinhar lá em baixo, eu curto o bar da esquina, que eu frequentava quando ainda era um pé sujo como os de mais,  atualmente ele foi reformado esta com TV LCD, ventiladores que aliviam bastante o calorão, este bar está lá desde 1951…e detalhe meu avô frequentou o lugar durante muito tempo, comecei a acreditar que pode ser genética, afinal, este, é ou não é um programinha de carioca?

Quer um pedacinho?

Recomendo. Se for dirigir, não beba.

Rua Miguel Couto, 139 – Centro – Rio de Janeiro – RJ, 20070-030, Brasil (0xx)21 2233-6119 – Metrô: Uruguaiana

Visitem também:

http://charutosviagensetodooresto.wordpress.com/2010/12/07/beco-do-sardinha-visita-de-18112010/

Texto adicionado em 28/03/2011 por José De Mauro: Em São Paulo o Bar da Dona Onça, no térreo do Edifício Copan, Avenida Ipiranga, 200 serve uma sardinha frita que embora diferente chega perto do crocante desejado, custa R$ 26,00 a porção de 3 peixes. Não tem chopp mas a cerveja é bem gelada.