Arquivo do mês: dezembro 2010

HOCCA BAR- MERCADÃO DE SÃO PAULO 28/12/2010.

Final de ano… Ceia… Almoço… Tem coisas que você só encontra no Mercadão. Minha ceia já está garantida, vou ao Arola 23. Meu compromisso é com o almoço do dia 1.o, vai ser na casa de meu irmão e tenho minha cota de responsabilidades, mas este assunto é para outro post.

Fomos, a Patrícia e eu, ao Mercadão na terça para comprar alguns petiscos. Aproveitei para almoçar por lá. Pensei que por ser terça-feira, chegar após a uma da tarde, bom achei que estaria vazio. Não foi bem assim. Muita gente teve a mesma idéia, principalmente pessoas de outras cidades que vieram as compras na 25 de março e aproveitaram para almoçar por lá.

De resto, continua sendo o melhor sanduba de mortadela de São Paulo, do Brasil. Um ótimo pastel de bacalhau e um bolinho, tá mais para bolão, de bacalhau que não decepciona. Ponto negativo para o molho de pimenta, vou voltar a andar com meu Tabasco na mochila. O chopp é médio, mas como não fui lá pelo chopp merece nota 3 em 5 possíveis.

Mesmo com todo o alvoroço e problemas, quando chegamos haviam acabado de roubar a carteira de uma cliente na entrada, o programa vale a pena.

A foto do Chapeiro mostra a velocidade de trabalho dos funcionários, é impossível conseguir congelar o movimento nas fotos sem flash.

Endereço     Rua da Cantareira, 306

Telefone      (11) 3227-0839

Site                http://www.hoccabar.com.br/

Anúncios

O QUE É UM CHARUTO?

Este texto é sobre charutos, portanto se você não tem 18 anos, por favor, deixe de ler. É proibido por lei.

Sei que o fumo causa problemas de saúde. Fumar charuto é uma decisão pessoal minha e leva em conta os riscos advindos dessa decisão. Milhares de pessoas morrem no trânsito, mas não se proíbem os carros.

A melhor coisa no mundo dos charutos é a falta de padronização. Fumadores aventureiros, entre os quais me incluo, passam o tempo pesquisando, provando e analisando charutos e acreditem nunca chegaremos a um resultado final, é como subir uma montanha sem fim.

A pior coisa no mundo dos charutos é a falta de padronização, a mesma marca pode levar a produtos totalmente diferentes, fabricantes não seguem regras de bitola, Cuba tem uma denominação na fabrica que não tem correspondência com a comercial. Sem falarmos no descaminho, contrabando e falsificação. É como atravessar um Saara de areia movediça.

Considero charutos aqueles feitos somente de folhas inteiras de fumo, enrolados a mão ou a maquina, prefiro os feitos totalmente a mão, mas não desprezo os outros. Tem ótimo custo/ benefício e alguns são bastante bons.

Charutos recheados de fumo picado ou enrolados em folhas de tabaco homogeneizado em sua grande maioria não estão ao nível dos feitos com folha inteira. Nessa classe também incluo os chamados charutos secos europeus. São chamados de secos, pois não precisam de condições especiais de umidade para conservação. Estes quase charutos, apesar de, em alguns casos ter sua função não são o objeto focado nestes posts.

Mesmo entre os charutos feitos apenas com folhas longas identificar corretamente o tipo de charuto é fundamental para o fumador. Confundir um charuto feito a maquina com outro semelhante feito totalmente a mão pode custar caro. Nem todos os vendedores são idôneos, o mundo é um local perigoso e, infelizmente isso ocorre.

Charutos feitos totalmente a mão.

Caixas cubanas com a inscrição “Totalmente a mano” no fundo.

“Totalmente a mão” para os charutos brasileiros,

“Hand made” ou “hecho a mano” para os demais países produtores.

Charutos feitos a maquina com acabamento a mão.

“Hecho a mano” no fundo das caixas cubanas, não confundir com os outros “hecho a mano”.

“Enrolado a mão” para os demais países.

Charutos feitos a maquina.

“Hecho em Cuba” sem outra inscrição significa que os charutos foram feitos em Cuba, totalmente a maquina. Cuidado com a denominação “folha curta” pode significar fumo picado e, portanto não é exatamente um charuto.

Outros países não têm um padrão para indicar esta categoria.

Sempre é bom lembrar:

Cuidado também com inscrições que indiquem coisas de menor importância, como o fato do charuto ter sido “embalado”, e não “fabricado” a mão.

Pesquisar, conhecer e comprar de fonte confiável é a melhor estratégia.

Para desenrolar procedências de charutos cubanos, além dos sites da Habanos S.A. recomendo o http://www.cubancigarwebsite.com/ onde encontramos a lista de charutos cubanos, quase total e bem detalhada, com detalhes de embalagens e anilhas.

PARA FUMAR EM MENOS DE MEIA HORA… CIGARRILLOS.

Postado por: José De Mauro

Este texto é sobre charutos, portanto se você não tem 18 anos, por favor, deixe de ler. É proibido por lei.

Sei que o fumo causa problemas de saúde. Fumar charuto é uma decisão pessoal minha e leva em conta os riscos advindos dessa decisão. Milhares de pessoas morrem no trânsito, mas não se proíbem os carros.

As vezes durante o trabalho ou a noite em restaurantes e baladas, bate aquela vontade de fumar um charuto, mas… Como parar durante 1 hora e ficar fora do planeta esse tempo todo? Acender o charuto menos caro disponível e fumar apenas o primeiro terço é uma saída, acender um mini-charuto, cigarrillo, é outra. Não confunda estes mini-charutos, alguns feitos a mão, com as cigarrilhas e afins que abundam por ai.

Existem mini-charutos de várias marcas, provavelmente a maioria dos produtores de charutos tem um, é só olhar a foto deste post para ter uma idéia, minha pesquisa começou com 3 ou 4 marcas e apesar de atualmente ter 11 diferentes mínis continuo descobrindo novos.

Parte desses mínis tem nomes que remetem ao fumar feminino, Ambassatrice da Davidoff é um exemplo, mas em sua maioria os nomes genéricos predominam, Chicos, Cubanitos, Puritos, Exquisitos, a Macanudo chama o seu, corretamente de Ascot e a Camacho se fixa no lado masculino com o Machitos que, acreditem merece o nome.

O lado negativo é o custo alto para o tamanho, variam entre R$ 5,00 e R$ 9,00 a unidade, sempre vendidos em embalagens de 5 a 10 unidades, para uma fumaça de 15 a 20 minutos.

O lado positivo: são pequenos e fáceis de carregar, não assustam os espectadores e cumprem bem seu papel.

Nas fotos: acima os 11 mínis que chegaram primeiro e abaixo as autópsias de um Partagas Chico (capa de fumo, sem capote e bucha de fumo picado, feito a maquina) e de um Camacho Machitos (capa, capote e bucha feitos de folhas de fumo “Corojo”) e acredito, conforme informa a embalagem, que seja enrolado a mão.

Post publicado simultaneamente com o http://www.charutosviagensetodooresto.wordpress.com

RETROGOSTO- O NOVO INÍCIO.

De repente tudo muda. Após escrever alguns posts no Foie Gras Literário onde ainda posto sobre charutos, comecei meu próprio blog o Charutos Viagens e Todo o Resto, partilhando alguns posts com a Patrícia, minha maravilhosa esposa no Pedacinhos do Mundo Etc e Tal. Após algumas conversas decidimos pela unificação dos blogs, Charutos e Pedacinhos que em algum momento futuro serão encerrados.

A partir de Janeiro de 2011 estaremos postando apenas neste novo blog. Até lá os posts serão simultâneos.

Esperamos assim unir nossas forças para escrever sobre nossas experiências neste Imenso Mundo e quem sabe unir o público que nos prestigia.

O nome RETROGOSTO foi proposto pela Patrícia enquanto pensávamos em um nome adequado. Nome apropriado, bastante usado na área gastronômica, mas que não consta do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa publicado pela Academia Brasileira de Letras em 2009, após a última reforma.

Retrogosto, o gosto que fica na boca quando após provar uma bebida ou alimento. O sabor pode ser maravilhoso ou não, mas com certeza ele estará lá. Nos vinhos, charutos, cafés e guloseimas ele é desejado e procurado, faz parte da magia.

Acho que viagens também deixam retrogosto assim como a vida, a estes chamamos de lembranças.

No resto manterei a mesma filosofia que venho praticando no Charutos e termino com o mesmo brinde de meu primeiro post lá.

CENTO ANNI.

Retrogosto do francês arrière-goût.

Definições encontradas:

Academia do vinho. com. br: RETROGOSTO ou AROMA DE BOCA – sensação gustativo-olfatória final deixada pelo vinho na boca, após ser deglutido ou cuspido. Ela é percebida através da aspiração do ar pela boca, o que provoca a sua passagem pela nasofaringe (comunicação entre a boca e o nariz) e a consequente estimulação dos receptores olfatórios no nariz. Alguns estudiosos preferem utilizam a palavra retrogosto para as sensações desagradáveis percebidas ao final da degustação

Enoblogs. com. br: O retrogosto é uma sensação que aparece após termos engolido ou expulsado o vinho da cavidade bucal.

Pedacinhos do mundo etc e tal:                              http://pedacinhosdomundoetcetal.wordpress.com/

Charutos e viagens:                                       http://charutosviagensetodooresto.wordpress.com/

Foie gras literário: http://foiegrasliterario.wordpress.com/

The Pub – "Entre Páginas"

Colocarei sempre “entre páginas” quando a postagem for dividida com outros blogs, colocarei sempre os links para que haja uma continuidade do assunto com as outras páginas. http://charutosviagensetodooresto.wordpress.com/ e  http://foiegrasliterario.wordpress.com/ – Decidimos dividir. Mauro: Comida, se bem que só o pedido dele vale um post. Leonora: Cerveja e Eu: A visita, ambiente.

Vamos a visita. Neste caso, acho que a visita foi o mais fácil, pois dificilmente você entra num lugar tão autêntico quanto o The Pub, e isso torna o assunto ainda mais mastigado para digerir.  A chegada ao local é quase imperceptível, pois é super escura a entrada, não tem uma luz de sinalização, primeiro passamos enfrente e não vimos, fomos direto, depois tivemos que voltar e na sorte bem devagar achamos, não tem valet, porém existem muitos estacionamentos por perto, paramos enfrente. Atravessamos,  um segurança de quase 2 metros de altura marcando a comanda com nomes e entregando aos seus respectivos donos, gentil o grandalhão,  fomos muito bem tratados o cara cumpriu seu papel com muito elegância, se bem que só o porte já intimida. Entramos.

Como era Terça-feira e uma noite bem chuvosa ,  escolhemos com calma nossa mesa, música dos Beatles dão um ar do dono um Britânico. Ambiente muito agradável para beber e bater papo, era como se estivéssemos num Pub em Londres e não aqui em São Paulo, mas este é o encanto de morar em Sampa. Atendimento atencioso, porém a atendente não fazia ideia das cervejas que realmente tinham no cardápio, e com a desculpa que durante a semana é complicado, SEMPRE falta cerveja porque acaba tudo no fim de semana e a entrega de bebidas são feitas as sextas- feira. Mas esse erro por parte da atendente em não ver antes da casa abrir quais as cervejas que realmente têm, num dia com muito movimento deve atrasar e arruinar qualquer atendimento.

Fica a sugestão da Leonora: Favor coloquem um quadro com apenas as cervejas do dia. Gente, a atendente ouvia qual era a cerveja, lia no cardápio e retornava ao estoque para ver se tinha, isso em todas as vezes que a se pedia uma cerveja. Diante da situação preferi ir num chopinho Braumeister bem gelado para acompanhar meu delicioso e simples Aberdeen Burger – (com bacon, queijo, alface e tomate)…R$15,50 .

São dois andares. Parte de baixo: Balcão, caixa para pagamento e cozinha.

Superior: banheiros caindo aos pedaços, porém limpos, mesinhas redondas, e sinuca, assim como a maioria dos Pubs.

Para pagar a conta você deve se dirigir até o caixa com a comanda, após o pagamento receberá um cartão para apresentar ao segurança e sair.

Recomendo.

http://thepubaugusta.com/ – Rua: Augusta, n. 576 /São Paulo -SP (baixa Augusta).

Saiba mais desta visita:

http://charutosviagensetodooresto.wordpress.com/2010/12/16/red-hot-chilli-burger-the-pub/

http://foiegrasliterario.wordpress.com/

Imagens: http://www.baressp.com.br/detalhe.asp?n=7050&canal=1

Desculpem copiar as imagens, mas estou com problema na minha câmera digital. Terei que comprar outra.

Te amo não diz tudo

O cara diz que te ama, então tá. Ele te ama.

Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado.

Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas. Mas saber-se amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de milhas, um espaço enorme para a angústia instalar-se.

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e verbalização, apesar de não sonharmos com outra coisa: se o cara beija, transa e diz que me ama, tenha a santa paciência, vou querer que ele faça pacto de sangue também?

Pactos. Acho que é isso. Não de sangue nem de nada que se possa ver e tocar. É um pacto silencioso que tem a força de manter as coisas enraizadas, um pacto de eternidade, mesmo que o destino um dia venha a dividir o caminho dos dois.

Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que sugere caminhos para melhorar, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você, caso você esteja delirando. “Não seja tão severa consigo mesma, relaxe um pouco. Vou te trazer um cálice de vinho”.

Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou dois anos atrás, é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d´água. “Lembra que quando eu passei por isso você disse que eu estava dramatizando? Então, chegou sua vez de simplificar as coisas. Vem aqui, tira este sapato”.

Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente bem-vindo, que se sente inteiro. Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que não existe assunto proibido, que tudo pode ser dito e compreendido. Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo. Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta.

Agora sente-se e escute: eu te amo não diz tudo.

Texto de Martha Medeiros

Beco das Sardinhas – A Sardinha que deixa saudade!

Existem comidas que não tem explicação, o porque você gostar tanto, isso acontece com a sardinha lá do beco das sardinha e eu, não me sinto segura comendo em outro lugar, (tirando as que a mamãe faz, que são uma delícia), mas as do beco…hum… são sequinhas, enfarinhadas (não considero a milanesa, porque não tem ovos, só farinha, uma  mistura de farinha de mesa com farinha de milho), carnudinhas, casquinha deliciosamente crocante …  ainda mais quando acompanhado de um choppinho da Brahma bem geladinho,  este bar fica localizado bem no coração do Rio, no centro, Rua Miguel Couto com a Av. Floriano Peixoto, Comecei a frequentar em 2001 quando eu ainda trabalhava ali perto, todos os dias o movimento é grande em qualquer horário, mas eu não perdia as sextas -feira depois do trabalho, ainda fica lotado… neste beco existem mais de 5 bares (que vendem sardinhas), na chegada já vem um garçon pedindo para você sentar num lugar aonde ele possa atender, talvez esta competitividade é o que faça as sardinhas ficarem ainda melhor a cada ano que passa.  Esses bares ficam nas laterais, no meio da rua eles penduram umas lonas de um lado ao outro, para fazer uma sombra, mas que esquenta tanto que falta te cozinhar lá em baixo, eu curto o bar da esquina, que eu frequentava quando ainda era um pé sujo como os de mais,  atualmente ele foi reformado esta com TV LCD, ventiladores que aliviam bastante o calorão, este bar está lá desde 1951…e detalhe meu avô frequentou o lugar durante muito tempo, comecei a acreditar que pode ser genética, afinal, este, é ou não é um programinha de carioca?

Quer um pedacinho?

Recomendo. Se for dirigir, não beba.

Rua Miguel Couto, 139 – Centro – Rio de Janeiro – RJ, 20070-030, Brasil (0xx)21 2233-6119 – Metrô: Uruguaiana

Visitem também:

http://charutosviagensetodooresto.wordpress.com/2010/12/07/beco-do-sardinha-visita-de-18112010/

Texto adicionado em 28/03/2011 por José De Mauro: Em São Paulo o Bar da Dona Onça, no térreo do Edifício Copan, Avenida Ipiranga, 200 serve uma sardinha frita que embora diferente chega perto do crocante desejado, custa R$ 26,00 a porção de 3 peixes. Não tem chopp mas a cerveja é bem gelada.